• Praça Barão da Batalha

    Barão da Batalha
    Praça

  • Praça Raimundo Soares

    Raimundo Soares
    Praça

  • Largo Ramiro Guedes

    Ramiro Guedes
    Largo

  • Largo Dr. João de Deus

    Dr. João de Deus
    Largo

  • Largo Mota Ferraz

    Mota Ferraz
    Largo

  • Largo General Avelar Machado

    General Avelar Machado
    Largo

  • Largo do Chafariz

    Chafariz
    Largo

  • Largo da Ferraria

    Ferraria
    Largo

largos e praças

Praça Barão da Batalha

Antiga Praça da Palha de Baixo onde no passado se efetuava o mercado da palha para os animais. O atual topónimo foi atribuído pala Câmara Municipal a 10 de Agosto de 1859 como prova de reconhecimento dos serviços prestados pelo governador militar de Abrantes Sebastião Cabreira - Barão da Batalha que contribuiu fortemente para o desenvolvimento local.

 
Depois das remodelações dos finais do séc. XX passou a ser um espaço pedonal, acolhendo um grupo de esculturas de bronze da autoria de Óscar Guimarães que pretende simbolizar o espaço de lazer e convívio de várias gerações.

GPS: 39.461472N / 8.198306W


Praça Raimundo Soares

Antiga Praça do Concelho era o centro político e comercial de Abrantes. A sua atual designação foi-lhe dada em 1893 pela Câmara Municipal em homenagem a Raimundo Soares que nasceu em Abrantes e ocupou os primeiros lugares de confiança política em Abrantes, dos quais se destacam as funções de Presidente da Câmara Municipal.

 
Na Praça é de realçar a presença de um conjunto escultórico da autoria de Óscar Guimarães, a Fontes das Três-Marias, que simboliza a fonte que outrora ali existia. Não deixe de apreciar os Painéis comerciais de azulejos do Século XIX e o edifício da Casa da Câmara.
GPS: 39.463139N / 8.197667W


Largo Dr. Ramiro Guedes

Antiga Praça da Palha de Cima, à semelhança de outros largos foi outrora zona de comércio. Em 1863 foi-lhe atribuída a designação de largo de encontro, uma vez que era aqui que se realizava o encontro das imagens religiosas que participavam na procissão dos passos. Em 1986 foi atribuído a este largo o nome de Ramiro Guedes, em honra de um velho lutador republicano.

Com a sua transformação em espaço pedonal foi construído pelo escultor Óscar Guimarães uma Fonte e uma escultura que representam o Culto da Flor, assim como um Painel Histórico Cronológico com a representação de diversos momentos da história abrantina:

 
1.Fundação do castelo / armas de D. Afonso Henriques / foral;
2.Desenvolvimento do núcleo urbano e do rio Tejo como entreposto comercial;
3.Nuno Álvares Pereira / Batalha de Aljubarrota
4.Almeidas e sua linha de sucessão / contam-se alguns alcaides-mores (D. Fernando de almeida - D. João I), condes (D. Lopo de almeida - D. Afonso V) e vice-rei da índia (D. Francisco de almeida - D. Manuel - descobrimentos);
5.Século XVI a XIX / conventos e amuralhamento (1º corpo de posturas / reconstrução das principais igrejas e construção de edifícios de arquitetura civil e de três novos conventos, importância militar renovada, invasão de Junot - 1º duque de Abrantes, planos para fortificar a vila);
6.República / elevação a cidade;
7.Estado novo / desenvolvimento de obras públicas (hotel turismo, cineteatro, colégio la-salle, tribunal, etc.);
8.O 25 de Abril;
9.Presente e futuro.

GPS: 39.462056N / 8.198250W


Largo Dr. João de Deus

Antiga Rua do Pasteleiro ou Largo da Cruz do Pasteleiro, um topónimo que se pensa estar relacionado com o ofício de pasteleiro. Foi neste largo que abriu a primeira casa que fabricava para venda a famosa Palha de Abrantes – a Casa Vigia. Em 12 de Janeiro de 1890, foi apresentado à Câmara um requerimento, por um grupo de sócios da Sociedade João de Deus, para mudar o nome para Largo Dr. João de Deus, tendo sido aprovado.

 
Depois das obras de remodelação em 2000/2001 o centro do Largo passou a contar com um elemento escultórico da autoria do escultor Laranjeira Santos: uma elipse provida de elementos geométricos que veio conferir identidade própria ao espaço e harmoniza-lo enquanto subconjunto urbano integrado num espaço mais vasto.
GPS: 39.462389N / 8.197500W


Largo Mota Ferraz

Antigo Largo da Misericórdia, cujo atual topónimo foi atribuído pela Câmara Municipal em sessão de 9 de Setembro de 1926. Manuel Ferreira da Mota Ferraz nasceu no Tramagal a 13 de Setembro de 1852 e faleceu em Abrantes a 4 de Março de 1926.

 
Depois de fazer exame para farmacêutico em Coimbra a 19 de Janeiro de 1878 abriu uma farmácia em Abrantes no dia 1 de Julho 1979. Vereador Municipal desde 1893 até 1908, interessou-se pelos problemas escolares de Abrantes, participou ativamente na vida do Montepio Abrantino e foi um grande impulsionador do projeto de eletrificação de Abrantes.
GPS: 39.461722N / 8.197028W


Largo General Avelar Machado

Este é um ponto de transição entre a Rua do Montepio, a Rua Nossa Senhora da Conceição, a Rua 17 de Agosto de 1808 e a Praça Barão da Batalha. De realçar o busto do General Avelar Machado monumento inaugurado a 27 de Junho de 1929, da autoria de Ângelo Teixeira (busto) e Raul Lino (pedestal). José Alves Pimenta de Avelar Machado, marcante personalidade abrantina, nasceu em 1848, no Rossio, tendo recebido as mais altas condecorações portuguesas e estrangeiras.

 
Foi por sua iniciativa que se conseguiu o abastecimento de água potável a Abrantes, por força da central térmica – a "fábrica da água" –, uma das mais potentes que então se construíram.
GPS: 39.461333N / 8.198667W


Largo do Chafariz

Antiga Rua da Fonte foi beber o seu topónimo à Fonte do Salgueiro, a única que existia dentro de Abrantes, a crermos no registo da sessão camarária de 3 de Julho de 1805, e que outro documento de 1644 ao designá-la por Rua da Fonte do Salgueiro parece corroborar. Augusto Salustiano Monteiro de Lima foi em 1891 o engenheiro militar responsável pelo projeto e obras de abastecimento público de água de Abrantes, e por esse facto a Câmara Municipal de Abrantes atribuiu o seu nome à antiga Rua da Fonte em sessão de 10 de Agosto de 1892.

 
O padrão desta rua atualmente relaciona-se com o seu topónimo medieval (Rua da Fonte) com o curso de água simbolizado no pavimento, e que tem origem na fonte criada no Largo do Chafariz, no seu extremo inferior, onde ainda se encontra um dos locais de abastecimento público de água do final do século passado.
GPS: 39.461806N / 8.199694W


Largo da Ferraria

Espaço aglutinador de varias ruas que chegam ao alto da cidade e onde se encontra, a meio, o pelourinho intitulado Padrão do Mundo. O padrão foi mandado construir na altura das comemorações do mundo português em 1940 e localizava-se inicialmente na praça Raimundo Soares. O padrão é encimado pela esfera armilar que representa o mundo e faz parte da nossa bandeira nacional.

 
Tem várias datas: 1140 e cruz dos templários, data que supostamente corresponde à data da fundação da nacionalidade portuguesa, e a referência à ordem dos templários que ajudaram a formar portugal.1148, data atribuída à conquista da vila de Abrantes por D. Afonso Henriques aos mouros, acompanhada com o respetivo brasão de armas da cidade.1640, data da restauração da independência de Portugal após a governação dos filipes. 1940, data da construção do padrão com o escudo de Portugal.
GPS: 39.464361N / 8.197500W


Neste sítio são utilizados cookies de forma a melhorar o desenpenho e a experiência do utilizador. Ao navegar no nosso sítio estará a concordar com a sua utilização. Para saber mais sobre cookies, consulte a nossa politica de privacidade.